terça-feira, 4 de setembro de 2012

Capítulo 7 - Entusiasmo

1. Tendo paciência eu deveria desenvolver entusiasmo;
No Despertar só estarão os que praticam a si próprios.
Da mesma maneira que nenhum movimento há sem vento,
Assim o mérito não acontece sem entusiasmo.
 
2. O que é entusiasmo? É achar alegria no que é saudável.
Seus fatores oponentes são explicados
Como preguiça, atração pelo que é ruim
E menosprezo a si mesmo devido à desesperança.
 
3. Tendo apego para o gosto aprazível da inatividade,
Almejando o sono,
E por causa de não ter nenhuma desilusão com a miséria da existência cíclica,
A preguiça cresce muito forte.
 
4. Caindo na armadilha das concepções perturbadoras,
Eu entrei na armadilha do nascimento.
Por que não estarei atento
Que vivo na boca do senhor da Morte?
 
5. Não vejo
Que ele está matando minha espécie sistematicamente?
Quem permanece profundamente adormecido
(Seguramente se comporta) como um búfalo com um açougueiro.
 
6. Ao ter bloqueado toda rota de fuga
O Deus de morte está olhando (para alguém para matar),
Como eu posso sentir o prazer de comer?
E igualmente como eu posso desfrutar do sono?
 
7. Enquanto a morte esteja realmente aproximando-se
Então que eu acumule méritos
Até mesmo se eu acabasse então com a preguiça,
Qual seria o uso? Não há tempo a perder!
 
8. Enquando isto não estiver terminado, quando isto esteja sendo terminado
E quando isto só esteja meio terminado:
De repente, o Deus de morte virá.
E ocorrerá o pensamento: “Oh não, eu não terminei,pára!”
 
9. As faces fluindo em lágrimas
E olhos vermelhos e intumescidos de tristeza,
Meus parentes perderão finalmente a esperança,
E eu terei a visão dos mensageiros da morte.
 
10. Atormentado pela memória de meus males,
E ouvindo os sons do inferno,
Com terror cubro meu corpo de excremento.
Que virtude pode fazer um tal estado delirante?
 
11. Se até mesmo nesta vida sou tomado de medo
Como um peixe vivo rolando (na areia quente),
Por até mesmo mencionar as insuportáveis agonias de inferno
Que será do resultado de minhas insalubres ações?
 
12. Como posso eu viver à vontade
Quando cometi as ações (que dão fruto).
No meu corpo de criança delicada encontrarei ácidos ferventes
No inferno de tremendo calor.
 
13. Muito dano acontece com quem não tem paciência
E com os que querem resultados sem fazer qualquer esforço.
Quanto apertados pela morte chorarão como os deuses:
“Oh não, não eu, dominado de miséria!”
 
14. Confiando no barco do corpo humano,
Livre-se do grande rio da dor!
Quão difícil de achar novamente é este barco!
Não há tempo a dormir, você se engana!
 
15. Tendo rejeitado a suprema alegria do sagrado Dharma
Que é uma fonte ilimitada de delícia,
Por que me distraio com as causas da dor?
Por que desfruto das diversões frívolas?
 
16. Sem me viciar em desânimo, eu deveria reunir minhas forças (para o entusiasmo)
E seriamente assumir o auto-controle.
(Então vendo) a igualdade entre mim e os outros,
praticar o “trocando o eu, pelos outros”.
 
17. Eu não deveria me viciar no desânimo, alimentando pensamentos como:
“Como eu posso despertar?”
Pois o Tathágata, que fala o verdadeiro,
Proferiu esta verdade:
 
18. “Se eles desenvolvem a força do seu esforço,
Até mesmo os que são moscas, mosquitos, abelhas e insetos,
Ganharão o Despertar insuperável,
Que é tão difícil de achar.”
 
19. Assim, se eu não abandonar o  modo de vida dos Bodhisattvas,
Por que deve alguém como eu que nasceu na raça humana
Não atingir o Despertar, desde que posso reconhecer
O que é benéfico e o que é danoso?
 
20. —Mas não obstante me amedronta pensar
Que eu posso ter que dar meus braços e pernas—
Sem discriminar entre o que é pesado e  o que é leve,
Eu fico confundido no meio da irreflexão.
 
21. Por milhares de incontáveis aeons
Eu tenho sido cortado, apunhalado, queimado,
E esfolado vivo por vezes inumeráveis.
Mas eu não despertei.
 
22. Mas este sofrimento
Com meu despertar terá um limite.
Será como o sofrimento de ter feito uma incisão
Para remover e destruir maior dor.
 
23. Até mesmo médicos eliminam a doença
com tratamentos médicos desagradáveis,
assim para superar os sofrimentos múltiplos
eu deveria poder agüentar um pouco o desconforto.
 
24. Mas o Médico Supremo não emprega
Tratamentos médicos comuns como estes,
Com uma técnica extremamente suave
Ele cura a maior de todas as doenças.
 
25. No princípio, o Guia do Mundo encoraja,
Dando tais coisas como comida.
Depois, quando acostumado a isto,
A pessoa pode até mesmo começar a dar sua carne, progressivamente.
 
26. Em tal momento, quando minha mente ficar desenvolvida,
A ponto de considerar meu corpo como comida,
Então que sofrimento haverá
Quando vier a dar minha carne?
 
27. Se abandonasse todo o mal não sentiria nenhum sofrimento
E devido à sabedoria haveria sempre alegria;
Mas agora minha mente está aflita por concepções enganosas
E meu corpo atingido por danos de ações insalubres.
 
28. Como seus corpos estão felizes devido aos seus méritos
E suas mentes contentes devido à sabedoria,
Até mesmo se permanecessem em existência cíclica por causa dos outros
Por que seriam transtornados os Compassivos?
 
29. Devido à força da Mente do Despertar,
O Bodhisattva consome seus males prévios.
Colhe oceanos de mérito:
Conseqüentemente se diz que supera os Shrávakas.
 
30. Assim, tendo montado o cavalo da Mente do Despertar
Isso dispersa todo desânimo e cansaço.
Quem, conhecendo esta mente de onde procede,
A alegria da alegria,
Decairia no desânimo?
 
31. Os apoios para o trabalho pelos seres vivos
São a aspiração, firmeza, alegria e os outros [que serão explicados].
A aspiração é desenvolvida com medo da miséria
E contemplando os seus benefícios.
 
32. Assim para aumentar meu entusiasmo,
Eu deveria me esforçar em abandonar as forças oponentes,
Para (o acúmulo de) aspiração, autoconfiança, alegria e outras,
Praticar seriamente e ficar forte no autocontrole.
 
33. Eu terei que superar
As faltas minhas ilimitadas e as dos outros,
E (para destruir) cada uma dessas faltas (só)
(Eu posso ter que me esforçar até) que o oceano de um aeon seja exaurido.
 
34. Mas se dentro de mim nem percebo
Até mesmo uma fração da perseverança (exigida) para esvaziar essas faltas,
Então por que não tenho eu um ataque de coração? Porque agora me tornei  domicílio da miséria infinita.
 
35. Igualmente eu terei que perceber
Muitas qualidades excelentes para mim e para os outros,
E (para atingir) cada uma destas qualidades (só)
Eu posso ter que me familiarizar com sua causa até que um oceano de aeons seja gasto.
 
36. Mas eu nunca desenvolvi o conhecido
Com até mesmo uma fração dessas excelências.
Como é estranho desperdiçar
Este nascimento que eu achei por alguma coincidência.
 
37. Eu não fiz oferecimentos aos Senhores Buddhas,
Eu não dei o prazer de grande festivais,
Eu não executei ações para os ensinamentos,
Eu não realizei os desejos do pobre,
 
38. Eu não concedi intrepidez aos amedrontados
E eu não dei felicidade para o fraco.
Tudo que eu dei origem são
As agonias no útero da mãe, e para sofrer.
 
39. Em ambos agora e em vidas prévias
Tal privação surgiu,
Por causa de minha falta de aspiração para o Dharma.
Quem rejeitaria esta aspiração para Dharma sempre?
 
40. O Poderoso mesmo disse
Que aquela aspiração é a raiz de toda face de virtude;
Sua raiz é conhecida constantemente
Com os efeitos do amadurecimento das ações.
 
41. Dor física, infelicidade mental,
Todos os vários tipos de medo,
Como também a separação do que é desejado
Tudo surgem de um modo insalubre de vida.
 
42. (Porém) cometendo ações saudáveis
Que são (motivadas por aspiração) na mente,
Onde quer que eu vá que serei presenteado com
Símbolos do fruto daquele mérito.
 
43. Mas cometendo más ações,
Embora eu possa desejar felicidade,
Onde quer que eu vá eu serei completamente superado
Pelas armas da dor causadas por minha vida má.
 
44. Como resultado da virtude eu morarei no coração espaçoso, fragrante e fresco de uma flor de lótus,
Meu brilho será nutrido pela comida da doce fala do Conquistador,
Minha forma gloriosa sairá de um lótus desdobrado pela luz do Poderoso,
E como um Bodhisattva ficarei na presença dos Conquistadores.
 
45. Mas como resultado da não-virtude minha pele será arrancada pelo ajudante de Yama.
Derretido por tremendo calor o cobre líquido será vertido em meu corpo.
Perfurada por ardentes espadas e punhais, minha carne será cortada em cem pedaços.
E eu cairei no horrível chão de ferro ardente.
 
46. Então eu deveria aspirar para virtude,
E com grande respeito me familiarizar com isto.
Tendo empreendido o saudável de maneira de Vajradhvaja,
Eu deveria proceder e me familiarizar com confiança então.
 
47. Em primeiro lugar eu deveria examinar bem o que será feito,
Para ver se posso ou não posso empreender isto.
(Se eu sou incapaz) é melhor deixar isto,
Mas se eu comecei não me devo retirar.
 
48. (Se eu faço), então este hábito continuará em outras vidas.
E o mal e miséria aumentarão.
Também outras ações feitas na hora do gozo
Serão fracas e não realizadas.
 
49. Autoconfiança deveria ser aplicada para as (saudáveis) ações,
(Superando) as concepções perturbadoras e minha habilidade (para fazer isto).
O pensamento “eu sozinho farei isto”
É a autoconfiança de ação.
 
50. Impotente, suas mentes perturbadas,
As pessoas neste mundo não se podem beneficiar.
Então eu farei isto (por elas)
Sem mim estes seres serão incapazes.
 
51. (Até mesmo) se outros estão fazendo tarefas inferiores
Por que eu deveria me sentar aqui (não fazendo nada)?
Eu não faço essas tarefas por causa de ego-importância;
Seria melhor para mim não ter nenhum orgulho.
 
52. Quando corvos encontram uma cobra agonizante,
agirão como se fossem águias.
(Igualmente) se (minha autoconfiança) é fraca,
serei prejudicado pela queda mais leve.
 
53. Como esses de cabeças fracas deixam de tentar
Como acharão liberação com esta deficiência?
Mas até mesmo o maior (obstáculo) achará como superar (com uma mente firme).
 
54. Então com uma mente firme
superarei todos as quedas,
Porque se sou derrotado ante uma queda
Meu desejo de vencer os três reinos se tornará uma piada.
 
55. Eu conquistarei tudo
E nada me conquistará!
Eu, um filho do Leão-Conquistador,
Devo permanecer inabalável desse modo.
 
56. Quem tem ego-importância é destruído por isto:
está transtornado e não tem nenhuma confiança.
Os confiantes não sucumbem ao poder do inimigo,
Mas aqueles estão sob o poder do inimigo ego-importântes.
 
57. Inchado pela concepção perturbadora de minha importância,
serei conduzido por isto aos mais baixos reinos.
Isso destrói o festival jovial do ser humano.
Eu me tornarei escravo, comendo a comida de outros.
 
58. Estúpido, feio, fraco e em todos lugares desrespeitado.
Pessoas duras enfunadas por vaidade
estão entre os que se pensam importantes;
Diga-me, o que é mais patético que isto?
 
59. Quem tem autoconfiança para conquistar o inimigo da ego-importância,
é autoconfiante, o herói vitorioso. E além, quem definitivamente conquista a expansão desse inimigo, a vaidade da importância,
Completamente (ganha) o fruto de um Conquistador, cumprindo os desejos do mundo.
 
60. Se eu me acho entre a multidão de perturbadoras concepções
Eu os suportarei de mil modos;
Como um leão entre raposas
não serei afetado por este anfitrião perturbador.
 
61. Da mesma maneira que os homens protegem seus  olhos,
Quando grande perigo e tumulto acontecem,
Igualmente eu nunca serei abalado pelas perturbações de minha mente,
Até mesmo nas vezes de grande discussão.

62. Seria melhor para mim ser queimado,
Ter minha cabeça cortada e ser assassinado,
Do que me prosternar
Para esses de concepções erradas.
(Tão igualmente em todas as situações
Eu não deveria fazer nada diferente do que é justo.)

63. Como os que anseiam pelo jogo,
(Um Bodhisattva) é atraído
Por qualquer tarefa que pode fazer:
Ele nunca acha bastante, isso só traz alegria para ele.

64. Embora as pessoas trabalham para encontrar felicidade,
É incerto se acharão ou não isto;
Mas como aqueles cuja única alegria é o próprio trabalho
Acham felicidade a menos que façam isto?

65. Se sinto que nunca tenho bastantes objetos sensuais,
Que são como o mel sobre uma navalha afiada,
Então por que deva sentir que tenho bastante
Mérito que amadurece em felicidade e paz?

66. Assim para completar esta tarefa,
Eu me arriscarei nisto;
Assim como um elefante atormentado pelo sol do meio-dia
Mergulha num lago de água fria.

67. Quando minha força declina, eu deveria deixar tudo que eu estou fazendo
Para poder continuar depois.
Tendo feito algo muito bem, eu deveria apartar isto
Com o desejo (realizar) o próximo trabalho.

68. Da mesma maneira que um velho guerreiro avalia
As espadas do inimigo na frente de batalha,
Assim devo evitar as armas das concepções perturbadoras
E habilmente imobilizar este inimigo.

69. Se alguém derrubasse sua espada durante a batalha,
Ele a recuperaria imediatamente devido ao medo.
Igualmente se eu perco a arma da plena atenção
devo recobrar isto depressa, por medo do inferno.

70. Da mesma maneira que o veneno se espalha ao longo do corpo
na dependência da (circulação do) sangue,
Igualmente se (uma concepção perturbadora) acha uma oportunidade
indignidades penetrarão minha mente.

71. Os que praticam deveriam ser atentos
Como o homem amedrontado que leva um jarro cheio de óleo de mostarda
sendo ameaçado por alguém com uma espada
Que ele será morto se derrama um pouco, uma gota.

72. Da mesma maneira que eu me levantaria rapidamente
Se uma cobra entrasse no meu colo,
Igualmente se o sono ou preguiça acontecem
Eu os repudiarei depressa.

73. Cada vez que acontece algo indigno
Eu deveria me criticar,
E então contemplar por muito tempo:
nunca deixarei isto acontecer novamente.

74. “Igualmente em todas estas situações
Eu me familiarizarei com plena atenção.”
Com esta (motivação) como causa devo aspirar
encontrar (com professores) ou realizar as tarefas (que eles me nomeiam).

75. Para ter força para tudo
Eu deveria recordar antes de empreender uma ação
O conselho do (capítulo) consciência,
E então alegremente realizar (a tarefa).

76. Da mesma maneira que o vento que sopra de um lado para outro
Controla (o movimento de) um pedaço de algodão,
Assim deva eu ser controlado por alegria,
E deste modo realizar tudo.

>>> Capítulo 8 - Meditação <<<