terça-feira, 4 de setembro de 2012

Capítulo 4 - Consciência

1. Tendo firmemente formatado deste modo a Mente de Despertar,
O filho do Conquistador nunca tem que oscilar;
Sempre ele deve exercitar-se e
Nunca desviar de sua prática.
 
2. No caso de ações despreocupadas
Ou de ações não bem consideradas,
Embora uma promessa possa ter sido feita
É justo reconsiderar se eu deva fazer ou não.
 
3. Mas como eu posso alguma vez me retirar
Do que foi examinado pela grande sabedoria
Do Buddhas e de seus Filhos,
E até mesmo muitas vezes por mim mesmo?
 
4. Se tendo feito tal uma promessa
Eu não colocar isto em prática,
E assim enganando a todo ser vivo
Que tipo de renascimento terei eu?
 
5. Se, como foi ensinado (pelo Buddha),
Não dar a menor coisa prometida
Leva ao renascimento como um fantasma faminto;
 
6. Então se eu enganar a todos os seres
Depois de tê-los convidado sinceramente
Para as insuperáveis felicidades,
Devo eu ter um renascimento feliz?
 
7. Só o Onisciente pode discernir
A maneira da ação daqueles
Que deixam a Mente de Despertar mas ficam livres;
Está além da extensão do (ordinário) pensamento.
 
8. Isto, para um Bodhisattva,
É a mais pesada das quedas,
Que poderia acontecer,
O bem-estar de todos será debilitado.
 
9. E se alguém até mesmo por um único momento
Impedir ou obstruir a ação saudável [do Bodhissatva],
Debilitando o bem-estar de todos
Não haverá nenhum fim ao seu renascimento
nos mais baixos estados.
 
l0. Pois se meu ser é prejudicado
Destruindo a alegria de até mesmo uma criatura,
Então que necessidade mencionar aquela falta
De destruir a alegria de criaturas tão numerosas quanto o espaço?

11. Assim, os que têm a força da Mente de Despertar
Como também a força de falhar (disto)
Sua permanência dentro de existência cíclica
Por muito tempo é impedida de alcançar os níveis de Bodhisattva.
 
12. Então da mesma maneira que eu prometi
Deva eu outorgar minhas ações respeitosamente.
Se de agora em diante eu não faço nenhum esforço
Eu descerei de baixo para mais baixo estado.
 
13. Embora para o benefício de toda criatura
Buddhas incontáveis existiram,
Ainda eu não era um objeto do seu cuidado
Por causa de meus próprios enganos.
 
14. E se eu continuo agindo assim,
Novamente e novamente deva eu sofrer
(Sofrendo) em reinos infelizes, doença, escravidão,
Dilaceração e o derramamento de sangue.
 
15. Se é raro o surgimento de um Tathagata,
Da fé, do conseguir de um corpo humano,
E de meu ser se ajustar para cultivar virtude,
Quando então tudo isso serão ganho novamente?
 
16. Embora hoje eu sou saudável,
Bem-nutrido e sem aflição,
Vida é momentânea e enganosa:
O corpo é como um objeto para mas um minuto.
 
17. E com procedimento como este
Novamente não ganharei um corpo humano,
E se esta forma humana não for atingida
Lá haverá somente o mal e nenhuma virtude.
 
18. Se quando tenho a chance de viver uma vida saudável
Minhas ações não são saudáveis,
Então de que serei capaz de fazer
Quando confundido pela miséria dos mais baixos reinos?
 
19. E se eu não cometo nenhuma ação saudável,
Mas prontamente acumulo muito mal,
Então para cem milhões de aeons
Eu nem mesmo ouvirei as palavras “uma vida feliz.”
 
20. Por estas mesmas razões, disse o Buddha,
É tão difícil uma tartaruga inserir seu pescoço
No jugo flutuando à toa no oceano vasto,
Quão extremamente difícil é atingir o estado humano.
 
21. Se até mesmo pelo mal de um momento
Um aeon pode ser apagado no inferno mais fundo!,
Então por causa do mal que acumulei desde um tempo sem princípio,
Será necessário dizer que não irei para um reino feliz?
 
22. Mas somente tendo experimentado aquele (renascimento em inferno)
Eu ainda não serei liberado;
Porque enquanto está sendo experimentado
Outro mal será extensivamente produzido.
 
23. Assim se, ao ter achado lazer como este,
Eu não me afino ao que é saudável,
Não poderia haver nenhuma maior decepção
E não poderia haver nenhuma maior loucura.
 
24. E se, tendo entendido isto,
Eu continuo sendo indolente ainda tolamente,
Quando a hora de morte chegar
Tremenda aflição cairá sobre minha cabeça.
 
25. Então se meu corpo brilha por muito tempo
Nas chamas insuportáveis de inferno,
Inevitavelmente minha mente será atormentada
Pelos fogos do remorso imensurável.
 
26. Tendo achado por alguma coincidência
Este benéfico estado que é tão duro de achar,
Se agora enquanto posso discriminar
Eu sou conduzido uma vez mais nos infernos,
 
27. Então como se eu, hipnotizado por um feitiço,
Reduzirei esta mente a nada.
Nem sequer não sei o que me está causando confusão;
O que está morando lá dentro de mim?
 
28. Embora os inimigos como ódio e desejo
Não tenham qualquer braço ou perna,
E não sejam nem corajosos nem sábios,
Como eu estive sendo usado como um escravo por eles?

29. Por enquanto eles moram dentro de minha mente
Ao seu prazer me causam dano,
Ainda eu os suporto pacientemente sem qualquer raiva;
Mas este é um tempo impróprio e vergonhoso para paciência.
 
30. Mesmo que todos os deuses e anti-deuses
Se revoltem contra mim como meus inimigos,
Eles não poderão conduzir-me  nem poderão colocar-me dentro
Dos ruidosos fogos do inferno mais fundo.
 
31. Mas o inimigo poderoso, estas perturbadoras concepções,
Em um momento podem-me lançar entre (essas chamas)
As quais, quando se encontram, nem mesmo as cinzas
Da rainha das montanhas restará.
 
32. Todos os outros inimigos são incapazes
De permanecer em tal extensão de tempo
Como minhas concepções perturbadoras,
O inimigo duradouro sem começo nem fim.
 
33. Se eu venerar prazerosamente e se me dedicar  (aos outros)
Eles trarão benefício e felicidade por mim,
Mas se eu se dedicar a essas concepções perturbadoras
No futuro trarão só miséria e dano.

34. Enquanto em existência cíclica como posso ser jovial e destemido
Se em meu coração preparo prontamente  um lugar
Para este inimigo incessante de longa duração,
A causa exclusiva para o aumento de tudo aquilo me prejudica?
 
35. E como poder eu sempre ter felicidade
Se numa rede de apegos dentro de minha mente
Onde moram os guardiões da prisão da existência cíclica,
que (perturbadoras concepções) se tornam meus açougueiros e atormentadores no inferno?
 
36. Então contanto que este inimigo não seja verdadeiramente destruído veramente diante de meus mesmos olhos,
Eu nunca deixarei de me dedicar (para aquele fim).
Ficando aborrecido com alguém que só causou leve e curto dano,
Pessoas ego-importantes não dormirão até que seu (inimigo) seja superado.
 
37. E se enquanto comprometido em uma batalha violenta,
Desejando conquistar esses cujos perturbadoras concepções vão naturalmente e vigorosamente trazer sofrimento e a morte para eles,
Homens desconsideram a dor de ser perfurado por lanças e setas
E não  se retirarão até o dia da vitória;

38. Então o que devo dizer eu que não deveria ser de coração preguiçoso e indolente,
Até mesmo se sou a causa de muitas centenas de meus sofrimentos
Quando agora me esforço para definitivamente superar meus inimigos naturais,
(Estas concepções perturbadoras) os quais são a fonte constante de minha miséria?
 
39. Se até mesmo cicatrizes infligidas por inimigos sem sentido
São usadas no corpo como ornamentos,
Então por que sofrer uma causa de dano a mim
Quem corretamente se esforça a empreender o grande propósito?
 
40. Se os pescadores, os caçadores e fazendeiros,
Somente pensando no seu próprio sustento,
Suportam os sofrimentos de calor e frio,
Por que eu não sou paciente pela causa da alegria do mundo?
 
41. Quando eu prometi liberar a todos esses seres
Que vivem nas dez direções até onde os fins do espaço
Das suas concepções perturbadoras,
Eu mesmo ainda não estava livre de mim.
 
42. Assim desavisado de até mesmo de minha própria capacidade,
Não estava um pouco louco por ter falado assim?
Mas como isto é assim eu nunca tenho que desistir
De derrotar minhas concepções perturbadoras.

43. E fazer isto será minha obsessão exclusiva:
Guardando grande vigor as enfrentarei na batalha!
Eu não deporei minhas armas até
Destruir as perturbadoras concepções que são para ser abandonadas.
 
44. Seria melhor para mim ser queimado,
Ter minha cabeça cortada fora e ser morto.
Em lugar de sempre me curvar abaixo
Para essas sempre presentes perturbadoras concepções.
 
45. Inimigos comuns quando expulsos de um país
Simplesmente se retiram e se estabelecem em outro,
Embora quando a sua força é recuperada eles volvem então.
Mas o modo deste inimigo, minhas concepções perturbadoras, não é semelhante neste respeito.
 
46. Iludidas perturbadoras concepções! Quando expulsas pelo olho de sabedoria
E dispersas de minha mente onde vocês irão?
Onde vocês morarão para poder me prejudicar novamente?
Mas, fraco de mente, fui reduzido a não fazer nenhum esforço.

47. Se estas concepções perturbadoras não existem dentro dos objetos, Dos órgãos do sentido, entre os dois nem em outro lugar,
Então onde elas existem e como elas prejudicam o mundo?
Elas estão como um ilusionista que eu deveria dispersar do medo Dentro de meu coração e deveria me esforçar resolutamente para a sabedoria.
Por nenhuma real razão, por que eu deveria sofrer tanto no inferno?
 
48. Tendo pensado bem então nisto,
Eu deveria tentar pôr estes preceitos em prática da mesma maneira que eles foram explicados.
Se as instruções do doutor são ignoradas,
Como um paciente poderá será curado pelos medicamentos dele?

>>> Capítulo 5 - Controlando a Introspecção <<<